• comida do amanhã

1ª Edição do LUPPA LAB começa suas atividades

Atualizado: Nov 11




Hoje, 10 de novembro de 2021, é um marco na história do Instituto Comida do Amanhã, pois demos início, em parceira com o ICLEI América do Sul, às atividades das oficinas do LAB com as cidades participantes da 1ª Edição do LUPPA – o Laboratório Urbano de Políticas Públicas Alimentares!


O projeto foi criado para ajudar as cidades a alcançarem sistemas alimentares saudáveis para a população, sustentáveis para o planeta, resilientes às mudanças climáticas e econômicas e atuantes na justiça social. Com esses valores em mente, pretendemos ajudar no desenvolvimento de políticas públicas, ou seja, programas do governo, voltados à produção ou ao acesso à alimentação.


O LUPPA vai oferecer um espaço de debate e compartilhamento de ideias, com o objetivo de apoiar governos locais a desenvolver e fortalecer sistemas alimentares saudáveis e resilientes. A partir desse princípio, o LUPPA irá atuar na inclusão da pauta dos sistemas alimentares na agenda de governos municipais, oferecendo um espaço de escuta e diálogo, pensamento sistêmico e de colaboração, na disponibilização de conhecimento das soluções aos gestores públicos, sem deixar de lado as demandas de cada território, no mapeamento e compartilhamento de programas e ações municipais de sucesso na temática e no apoio da construção de Planos Estratégicos ou de Ação pelas cidades. Além disso, o projeto desenvolverá, a partir do aprendizado dessa 1ª edição, um guia de como as cidades devem agir para produzir as Políticas Públicas Alimentares.


Foram meses de preparação, estudo, parceria e realização de webinars – sobre os principais temas e desafios dos sistemas alimentares urbanos – até chegarmos aqui. Para nossa 1ª edição, foram selecionadas 23 cidades com população de até 1,5 milhão de habitantes, localizadas em 13 estados brasileiros, reforçando a importância da diversidade territorial: Alvarães (AM), Anchieta (SC), Araraquara (SP), Belém (PA), Bragança (PA), Brejo da Madre de Deus (PE), Caruaru (PE), Contagem (MG), Florianópolis (SC), Jataúba (PE), João Pessoa (PB), Lajedo (PE), Maracanaú (CE), Natal (RN), Niterói (RJ), Petrolina (PE), Porto Alegre (RS), Rio Branco (AC), Rio Claro (SP), Sobral (CE), Santarém (PA), Teresina (PI) e Vitória do Xingu (PA). Além desses municípios, também trouxemos cidades-mentoras, que possuem políticas consolidadas na área de sistemas alimentares. Dessa forma, Belo Horizonte (MG), Curitiba (PR) e Recife (PE) participarão do laboratório compartilhando experiências, ferramentas e referências que auxiliarão as demais em sua jornada de desenvolvimento sustentável.


Desenvolver políticas públicas, tirá-las do papel, integrá-las e planejar um orçamento não são tarefas fáceis. Por isso, em nossa 1ª edição do LUPPA, teremos a realização do nosso LAB – é o momento de colocar a mão na massa! Nele, serão feitos oito encontros semanais – oficinas com dinâmicas tipo mesas-redondas e desafios – com o objetivo de promover o diálogo e debate entre as cidades, partilhar suas experiências, dificuldades e ações, gerando frutos de aprendizado sobre o todos os processos que envolvem a construção de sistemas alimentares justos, saudáveis e sustentáveis.


Nesta quarta (10/11) realizamos a sessão de abertura do LUPPA, onde pudemos mostrar como funcionará a dinâmica do LAB e apresentar nosso time, formado pelo Comida do Amanhã em parceria com o ICLEI América do Sul, e que conta com o apoio e confiança do Instituto Ibirapitanga, do Instituto Clima e Sociedade (iCS), e do apoio metodológico da Reos Partners – Brasil. Também temos como instituições parceiras a Associação Mercy For Animals Brasil, a Humane Society International e o Grupo de Estudos, Pesquisas e Práticas em Ambiente Alimentar e Saúde da Universidade Federal de Minas Gerais (GEPPAAS/UFMG).


Além disso, o encontro proporcionou, através de grupos paralelos, três rodadas de discussões entre representantes do governo e sociedade civil de diferentes municípios, quando eles puderam conhecer melhor uns aos outros, seus projetos, experiências e desafios.


“Só tenho a agradecer por essa manhã maravilhosa de 10 de novembro, pois tivemos a alegria de compartilhar. Isso é o LUPPA! O tamanho da satisfação de cada município que está representado, de poder mostrar um pouco da sua dificuldade, da ajuda que pode dar para o outro, isso é empatia. No ambiente escolar são 200 dias letivos. E nos outros 165 dias do ano? Como fica a vida dessa criança e dessa família? Muitos pais mandam os alunos para a escola e fazem a opção de que ele fique no horário integral ou em uma atividade complementar para buscar na escola o alimento que ele não tem em casa. Isso nos move, nos dá força, nos dá coragem, nos dá a oportunidade de lutar cada dia mais por um sistema que possa melhorar a condição de vida dessas crianças. Hoje, são eles. Amanhã, quem será? Quem tem fome, tem pressa”, afirmou Vanda Maia, de Santarém (PA).


Ainda, completou Cida Miranda, de Contagem (MG): “Estou muito emocionada com todos esses depoimentos e com essa potência que estamos vivenciando aqui nesta manhã. E uma coisa me chamou a atenção: um fórum de mulheres! Mulheres de todas as raças, cores, de todas as profissões reunidas em torno de um tema tão importante como a alimentação saudável e para a saúde. Outra fala que me chamou a atenção foi de uma agricultora de Santa Catarina, de uma cooperativa, que disse que ali é a capital nacional das sementes crioulas. A semente é a origem de tudo. Para pensar em um sistema alimentar resiliente e sustentável, é preciso resgatar a semente, é preciso resgatar o saber dos povos”.


No final, fizemos duas perguntas aos participantes: 1) Qual o seu sentimento neste momento depois destas três rodadas?; e 2) Qual a sua expectativa para a jornada do LUPPA? Foram diversas as respostas, entre elas: aprendizado e fortalecimento. Percebemos o engajamento de todos os representantes das cidades, que mostraram garra e vontade de fazer a diferença e contribuir para a construção de melhores sistemas alimentares por todo o Brasil.


Agora, entre novembro de 2021 e janeiro de 2022, realizaremos as oficinas propostas pelo LUPPA LAB. Não deixe de nos acompanhar por aqui e pelas nossas redes sociais para ficar ligado nos resultados da 1ª Edição do LUPPA! Confira mais informações no nosso site: luppa.comidadoamanha.org


22 visualizações