COMIDA & DESIGN

um manifesto do reencontro do garfo com a mão e da língua com a boca.

  • Grey Facebook Icon

COMIDA MUDA O MUNDO

O que o design pode fazer com isso?

COMER É O MAIOR ATO POLÍTICO, BIOLÓGICO, ANTROPOLÓGICO, REVOLUCIONÁRIO. NADA PODE NOS CONECTAR OU SEPARAR MAIS DE QUEM SOMOS E DA NOSSA FORMA DE ESTAR NO MUNDO.

Where is Critical Food Design?
Food Design by Dr. Francesca Zampollo

Where is Critical Food Design?

A FORMA COMO COMEMOS MUDOU MAIS NOS ÚLTIMOS 50 ANOS DO QUE NOS 10 MIL QUE LHE ANTECEDERAM. 

"Vivemos num mundo esquizofrênico quando o assunto é comida - precisamos de pessoas criativas para atuarem nos problemas alarmantes que temos hoje em dia."

Marije Vogelzang

Dutch Profiles: Marije Vogelzang
Dutch Profiles

Dutch Profiles: Marije Vogelzang

ONDE A GENTE SE PERDEU?

um manifesto do reencontro do garfo com a mão e da língua com a boca.

Pela revisão da função do Design,

por um novo olhar sobre o poder da Comida,

nos manifestamos.

*passe o mouse sobre os cartões e leia o manifesto na íntegra. se preferir, baixe o manifesto clicando aqui. compartilhe, divulgue, faça parte.

Onde a gente se perdeu?

em que curva a gente escolheu

não ser mais semente?

esqueceu que é gente?

 

Éramos menos.

Produzíamos mais.

10.000 espécies de alimentos nutriam as bocas de nossos ancestrais.

milhares de raízes

milhares de frutas

milhares de vegetais.

 

Onde a gente se perdeu?

em que lugar morreu

Nossa vida em plenitude?

Nossa cooperação?

Onde podemos retornar e ter atitude

e mudar tudo,

e regenerar o mundo?

 

Eram biomas e abundância,

terra que tudo dá,

cerrado, caatinga, pampa

amazônia,

pantanal, mata atlântica.

Terra tanta que tanto dá,

que tanto deu.

onde a gente se perdeu?

onde a gente se perdeu?

A pele da maçã

virou bandeja de isopor.

Container de petróleo

pode conter amor?

 

A batata da terra

ficou estampada na caixa

do snack empacotado

com um rótulo abstrato

que às vezes tem menos batata

do que glutamato.

Minha avó nem sabe o que isso é.

Minha avó comia a fruta do pé.

Segurava na mão,

mordia na boca,

lambia na língua.

Essa mão que virou garfo,

a pedra que virou faca,

o fogo que virou máquina,

que virou rápida,

que virou sátira

da laranja que não sabemos mais o que é.

que não reconhecemos o seu pé.

E no mercado não existe mais estação.

É todo o ano o ano inteiro.

Melancia no inverno

e morango no verão.

Garfo na mão,

panela no fogão,

histórias na fogueira.

Senta no chão.

Come na cadeira.

É todo o ano o ano inteiro.
Melancia no inverno
e morango no verão.

Que comer tem muito poder,

e que o design mudou a nossa maneira

de ser.

O design pega a função do viver

e norteia a matéria.

O design é coisa de vida,

e coisa de vida é coisa séria.

Manifestamos aqui uma nova visão,

de entender qual é afinal a função

do comer,

desenhar,

do produzir,

do criar,

do re-inventar.

para se reencontrar?

(onde a gente se perdeu?)

 

Regenera o planeta.

Reconecta os seres.

Junta ferramentas e saberes.

Regenera o planeta.
Reconecta os seres.
Junta ferramentas e saberes.

3 alimentos*

são 60% de todas as calorias consumidas.

a cada 365 dias

4 milhões de vidas de obesos

perdidas.

Comida mata mais que acidente de carro,

que homicídio planejado,

que tormenta ou tornado.

o que comemos mata por todo o lado.

 

84 mil vezes mil

de obesos

e sobrepesos

só no Brasil.

 

E 7 milhões sem o que comer.

Sem saber

que produzimos o suficiente

para matar a fome de toda a gente.

mas que um terço do que sai da terra

não chega na boca de ninguém.

e alimenta só o bolso de quem

nos convence que a gente não se perdeu.

 

Mas onde foi mesmo que a gente se perdeu?

*arroz, milho e trigo

3 alimentos
são 60% de todas as calorias consumidas

Comemos o mundo

Somos o mundo que comemos

Comemos o mundo que queremos.

3 vezes por dia.

7 bilhões de pessoas.

Você sabia?

 

Todos comemos.

Todos nos ligamos pela comida

porque todos somos seres de vida.

E ao escolher

o que comer,

de onde comer,

com quem comer,

E ao entender

porquê comer,

porquê não comer,

E ao perguntar

“tenho fome de quê”?,

e ao traduzir o que dizem na tv,

a gente pode entender

onde a gente se perdeu.

A gente pode se reencontrar,

escolher voltar

a viver.

a participar e cooperar,

a se reconhecer.

Comer é ato biológico.

e político

e ecológico.